Alerta geadas

23 Jun 2016

Alerta de geadas: inverno sofrerá influência de La Niña  

 

Valéria Prochmann  
Foto royalty free  
Curitiba  

O inverno começou às 19h34 da segunda-feira 20, e termina às 11h21 de 22 de setembro. Segundo o meteorologista do Simepar - Sistema Meteorológico do Paraná, Cezar Duquia, é alta a probabilidade de manifestação de La Niña de fraca intensidade a partir da metade da estação. Esse fenômeno climático caracteriza-se pela diminuição da temperatura da superfície das águas do Oceano Pacífico Tropical Central e Oriental, com impactos nos padrões de chuva e temperatura em todo o planeta.

Um dos efeitos do resfriamento da temperatura superficial das águas é o inverno árido com passagens rápidas de frentes frias na região Sul do Brasil, apresentando chuvas acima da média no leste e estiagem no oeste. "Em junho, o Paraná ainda poderá registrar chuvas ligeiramente acima da média, porém para agosto e setembro, a previsão é de redução no volume de chuvas, que deve ficar na faixa média", explica Duquia. Quanto às temperaturas, as projeções sugerem comportamento normal, diferentemente do registrado nos últimos anos.

Modelos meteorológicos dinâmicos indicam El Niño Oscilação Sul (ENOS) menor ou igual a -0,5°C (neutro negativo) em junho, evoluindo para La Niña nos meses seguintes com possibilidade de estender-se até a primavera e o verão. ENOS é a flutuação interanual da pressão atmosférica ao nível do mar no Oceano Pacífico decorrente de variações na circulação dos ventos, influenciando assim a temperatura e a pluviosidade.

Alerta de Geadas

Neste inverno, as massas de ar frio previstas devem provocar geadas frequentes, sobretudo entre o centro e o sul do estado. Para o norte são previstos de três a cinco eventos, ficando dentro do comportamento normal para esta época do ano. "O inverno tipicamente paranaense apresenta geadas frequentes e registra temperaturas negativas quando as massas de ar frio, ao se deslocarem pelo sul do país, adquirem uma trajetória continental", observa Duquia. Estas massas provocam uma estabilidade prolongada que afeta a distribuição das chuvas ao longo dos três meses, razão pela qual este é o período do ano com menor volume de chuvas.

Iniciado em maio, o serviço Alerta Geada vai até o fim do inverno. As previsões de risco são feitas com até 72 horas de antecedência pelo Simepar em conjunto com o Iapar – Instituto Agronômico do Paraná e são reavaliadas duas vezes ao dia. As informações são lançadas nas páginas de ambos os órgãos na Internet: www.simepar.br e www.iapar.br. Interessados em receber os alertas por celular ou e-mail devem cadastrar-se na página do Iapar. Desde que foi lançado em 1995, o serviço destaca-se por seu alto grau de confiabilidade, pois nunca errou uma previsão. Por esse motivo, tornou-se referência para a Sociedade Brasileira de Meteorologia e a International Society for Agricultural Meteorology.

O principal objetivo do Alerta Geada é auxiliar os produtores na prevenção e redução de perdas agrícolas devido à ação do ar frio sobre as plantações, que podem sofrer danos irreversíveis. A lavoura mais vulnerável é a cafeicultura, que ocupa uma área de 50 mil hectares no Paraná, em sua maioria cultivada por pequenos produtores familiares. Na segunda quinzena de junho foi dado um alerta de geadas para o norte, principal região produtora de café onde o último alerta havia sido lançado há três anos.

Segundo a agrometeorologista do Iapar, Heverly Morais, cafeicultores que têm lavouras com idade entre seis e 24 meses devem amontoar terra no tronco dos cafeeiros até o primeiro par de folhas para proteger as gemas e evitar a morte das plantas no caso de geada severa. A técnica é chamada de “chegamento de terra”. Essa proteção deve ser retirada no final do período frio, em meados de setembro. “Se isso não for feito, as plantas podem sofrer danos por ‘afogamento do caule’, lesões provocadas por altas temperaturas”, explica a pesquisadora. A recomendação para as lavouras novas, com até seis meses de idade, é apenas enterrar as mudas quando houver emissão do Alerta Geada. Já a proteção dos viveiros deve ser feita com várias camadas de lona plástica, uso de aquecedores ou as duas medidas simultaneamente. Tanto nas lavouras novas quanto nos viveiros de mudas, a proteção deve ser retirada assim que a massa de ar frio se afastar e cessar o risco de geada.

a Redação

Marco Iba
Gestor de Conteúdo Redação Maringá

E-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Mais nesta categoria: « Novo Posto

Política

Reverência ao Cidadão Brasileiro

Reverência ao Cidadão Brasileiro

13 Setembro 2016

Reverência ao Cidadão Brasileiro   Redação MaringáMarco IbaFoto Word Wide Web Cármen Lúcia...

Lazer

Food Truck

Food Truck

22 Junho 2016

Festival Food Truck no dia 28 em Maringá     Loise Clemente  Lide Multimidia  Foto divulgação...

Turismo

Festival de Turismo

Festival de Turismo

20 Junho 2016

Aberto o 11º Festival de Turismo das Cataratas de Foz do Iguaçu   Da assessoriaFoto divulgaçãoFoz...

Tecnologia

Vencendo Eleições

Vencendo Eleições

26 Maio 2016

Desafio dos candidatos será  produzir propaganda com qualidade para atrair internautas   Da...

Agronegócio

Alerta geadas

Alerta geadas

23 Junho 2016

Alerta de geadas: inverno sofrerá influência de La Niña     Valéria Prochmann...

Em tempo

 

Se a sua cidade ainda não divulga conteúdos conosco não perca mais tempo. Contate com a Secretaria de Cultura de seu município e solicite inclusão

Populares

UFC cidadão

UFC cidadão

27 Maio 2016
"Ou dá ou desce"

Ou dá ou desce

26 Junho 2016
Agosto Azul

Agosto Azul

22 Junho 2016

Últimas